Vale a pena vender as coisas usadas do bebê?

Muita gente não sabe, mas o Closet da Bia nasceu assim, vendendo as roupinhas e sapatinhos que não serviam, até que um dia, surgiu a ideia de expandirmos e vendermos também itens novos, foi dando certo, as clientes gostando, pedindo cada vez mais e decidimos mudar completamente o foco, mas sem deixar nossas raízes de lado, afinal, hoje em dia, o consumo consciente é a bola da vez e poder comprar produtos quase novos a um preço super camarada não é nada mau. Mas, e vender as coisas usadas do bebê, vale a pena? Como e por onde começar?

dúvida

Espaço x Dinheiro = Tempo

Primeiro é importante saber que nem sempre você vai vender as coisas que deseja de imediato, pode levar dias, semanas e ás vezes você pode acabar perdendo espaço no armário. Definir a melhor estratégia de venda é essencial. Primeiro, você precisa saber o que precisa mais no momento: espaço ou dinheiro.  Independente da sua resposta, você vai precisar de tempo. Tempo para analisar o preço, tirar fotos, divulgar, responder a todas as perguntas, marcar de encontrar, negociar, etc, etc, etc. Se você não tem tempo, nem paciência e precisa só de espaço no armário, que tal doar as peças que seu filho não usa mais? Você pode doar para um orfanato, um conhecido, etc.

Agora, se você precisa de dinheiro, mas não tem tempo, você pode usar plataformas na internet que auxiliam muito na venda de produtos infantis usados, a que mais gosto é a Ficou Pequeno. Lá você posta a fotos seus produtos, coloca seu preço e deixa o resto com o pessoal do Ficou Pequeno, eles divulgam pra você, cuidam da venda, até etiqueta para colocar nos correios eles te mandam pronta, você só precisa ir no correio levar depois que alguém comprar. Claro que eles cobram uma comissão por isso, mas você fica sabendo o quanto vai receber por cada produto no momento do anúncio. Depois que o comprador recebe a mercadoria, o dinheiro é liberado para sua conta e você pode transferir para sua conta bancária.

Assim como o Ficou Pequeno, existem muitas outras plataformas de marketplace, uma muito interessante também é a Retroca, lá é um pouco diferente e ideal para você que precisa de espaço, mas por qualquer motivo não quer fazer uma doação. Lá, você manda suas peças e elas ficam em consignação e você recebe por elas assim que forem vendidas. A vantagem é que o Retroca cuida de tudo, você só precisa juntar tudo e mandar pra lá, eles tiram fotos, publicam, colocam preço, tudo.

Colocando preço

Se você decidir postar nas plataformas ou nos grupos de desapego das redes sociais, a regra é a mesma: bom senso. Não leve em consideração o preço que você pagou na loja quando comprou e sim o preço que o produto vale hoje. Porque se a diferença for pouca entre o usado e o novo, será muito mais vantajoso para o comprador adquirir em uma loja. Produtos em desapego são apreçados como carros, ou seja, perdem o valor quando saem da loja, quando sai uma nova coleção, quando já foi usado, etc. Pesquise o preço em lojas, bazares e grupos de desapego.

Produtos usados sem marca, vendem mais fácil quando colocados em lotes. Faça lotes de sapatinhos, vestidos, etc. Dê brindes, coloque um preço atrativo. Produtos de marca vendem melhor quando anunciados separados, desde que estejam em bom estado.

Se vale a pena vender produtos usados? Vale sim! Se você anunciar no lugar certo, pelo preço justo, você pode recuperar parte do que gastou e ainda fazer ótimas amizades!!!

Beijos,
Gabi

Água no ouvido do bebê, como evitar?

Quem nunca ficou com receio de dar banho no bebê e deixar cair água nos ouvidos ou shampoo nos olhos da criança? Principalmente mães de primeira viagem tem muito receio disso acontecer e há aquelas que até evitam dar banho nos primeiros dias com medo disso acontecer. Quando a criança cresce mais um pouco, esse medo não diminui, afinal a criança passa a tomar banho no chuveiro, se mexe mais e fica mais pesada tornando cada vez mais difícil lavar bem todas as partes do corpo do bebê e evitar que algo desconfortável aconteça.

download
Imagem da Internet

Apesar de alguns pediatras defenderem que água no ouvido do bebê pode ser inofensivo, outros acreditam que a água pode ser prejudicial, pois pode retirar a barreira natural de proteção que é a cera, abrindo as portas para infecções como a otite e causar desconfortos que a mãe pode não identificar em crianças muito pequenas.

Aqui vão algumas dicas para dar um banho bacana, sem medo de deixar cair água no ouvido do bebê:

  • Em bebês recém nascidos, segure a cabeça da criança tampando os dois ouvidos com os dedos, isso evita que entre água nos ouvidos e você terá mais segurança para dar o banho.
  • Em bebês maiores de 6 meses, dê banho com a criança sentada na banheira e, ao lavar a cabeça, passe apenas a mão molhada para retirar o excesso de shampoo e nunca use produtos que fazem muita espuma para não dificultar a limpeza.
  • Um aliado interessante, são os chapéus protetores para banho, que além de proteger os ouvidos, protegem também os olhos da criança. Eu acredito que a mãe consegue dar um banho bem mais tranquila em seu bebê utilizando esse acessório super prático.

No Closet da Bia você encontra esse produto para facilitar a sua vida. Saiba como usá-lo:

Coloque o chapéu na cabeça da criança, alinhando as alças protetoras com os ouvidos. Essas alças vão impedir que entre água no ouvido do bebê, independente da posição que ele estiver durante o banho e se ele está na banheira ou no chuveiro.

Feche o chapéu na parte traseira, abotoando o mesmo de forma que fica fixo à cabeça da criança sem apertar. O chapéu pode ser usado por crianças de todas as idades, pois é totalmente ajustável e pode ajudar a criança inclusive quando a mesma já estiver tomando banho sozinha.

Chapéu protetor para banho é vida! Um produto ótimo para facilitar a vida de mamães e papais, que tornam a hora do banho muito mais divertida e segura!

Beijinhos!
Gabi